Greve dos caminhoneiros no PI cancela voos e deixa postos sem combustível

0
1350
Em Bom Jesus, Sul do Piauí, posto já está sem combustível (Foto: Moisés Barjud Neto/Arquivo pessoal)

Protesto chega ao seu 5º dia e caminhões estão impedidos de chegar aos destinos devido aos protestos dos caminhoneiros.

greve dos caminhoneiros chega ao quinto dia no Piauí com impacto em postos de combustíveis, abastecimento da Nova Ceasa e redução na frota do transporte público. Os principais problemas estão sendo encontrados em Teresina, como o cancelamento de dois voos em razão da restrição no abastecimento em aeroportos. No estado, protestos de caminhoneiros foram registrados na capital, em Demerval Lobão, Picos, Bom Jesus e Uruçuí.

Alguns postos de combustíveis de Teresina já estão fechados nesta sexta-feira (25) por falta de produto. Os caminhões que abastecem os postos estão presos no terminal de petróleo, na Zona Sul de Teresina, desde a tarde de quinta-feira (24), como parte do protesto dos caminhoneiros em greve há quatro dias em todo o país. Motoristas da Uber dão apoio ao movimento.

Na avenida Nossa Senhora de Fátima, três postos já não têm combustíveis. Na Zona Norte, consumidores relatam que o bairro Mocambinho também já tem locais desabastecidos.

Em Bom Jesus, Sul do estado, o posto do empresário Moisés Barjud Neto está sem combustível desde quinta-feira (24). “Tem um caminhão carregado para abastecer aqui, mas está em Teresina. E aqui eles fizeram piquetes na entrada da cidade, além dos outros espalhados pelo estado”, relatou.

O empresário lamentou a situação, mas disse que as manifestações são necessárias. “É uma reivindicação justa e eu apoio. Eu fico chateado com a situação, mas não com a paralização. O que a gente quer é uma vida mais justa”, declarou.

Voos cancelados

No aeroporto Senador Petrônio Portella, em Teresina, dois voos da Gol foram cancelados, nesta sexta-feira (25). Em nota, a empresa informou que o cancelamento aconteceu em razão da restrição no abastecimento de combustível em alguns aeroportos do país.

A Gol informou ainda que “segue trabalhando a fim de minimizar impactos aos seus clientes, aplicando medidas de contingência em toda sua operação”.

A empresa orienta os passageiros impactados por estes cancelamentos a procurar a companhia a fim de remarcar suas viagens, sem a cobrança de taxas e de acordo com a disponibilidade. Ou ainda, solicitar reembolso ou crédito integral de suas passagens.

Ceasa

De acordo com o gerente de mercado, Marcos Massaranduba, houve uma redução de 70% de cargas que vem de outros estados e alguns alimentos já estão em falta. No estado, o movimento chegou ao seu 4º dia.

Alguns alimentos que estão em falta ou em quantia reduzida são: Melancia, Batata, abacate, maracujá, laranja e tomate. “Se ontem era preocupante, hoje é crítico. O estoque está no mínimo do mínimo. Alguns caminhões conseguem chegar aqui, mas o custo deles eleva demais e o preço sobe”, informou Marcos Massaranduba.

Entre as 19h da quinta-feira (24) e as 7h desta sexta-feira (25), apenas 14 caminhões e duas caminhonetes chegaram à Ceasa. Segundo a administração, o número de cargas normalmente varia entre 140 e 150. Conforme o gerente de mercado, não há previsão de quando o abastecimento será normalizado.

Ônibus

A frota de ônibus na capital foi reduzida em 30% e de acordo com o Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut), a contenção é devido à falta de combustível causada pela greve dos caminhoneiros, que está em seu 4º dia no Piauí. No estado, as manifestações tiveram início na terça-feira (22) quando manifestantes bloquearam a rodovia PI-247.

Segundo o Setut, a redução será das 9h às 11h como uma medida emergencial de contingenciamento para diminuir o consumo de combustível. Em Teresina, a frota de ônibus é composta por mais de 440 veículos, que fazem em média 4.400 viagens por dia.

Fonte: G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Comente
Por favor digite seu nome